• Details
  • Gallery
  • Tags
  • More

seminário POLÍTICA DE ARTE, ferramentas de atuação consciente e crítica no sistema de arte contemporânea. Porto Alegre, Brasil

Home  /  País  /  Bolivia  /  Current Page

POLITICA_DE_ARTE_porto_alegre_junio2014_R01

no dia 02 de AGOSTO, das 10h-18h30, acontece na galeria Mamute, o seminário POLÍTICA DE ARTE, ferramentas de atuação consciente e crítica no sistema de arte contemporânea. Dirigido a artistas, gestores, agenciadores independentes, curadores, pesquisadores, historiadores de arte contemporânea, galeristas, funcionários públicos envolvidos nas artes visuais e estudantes de arte, o seminário se propõe a refletir sobre o atual funcionamento do sistema de circulação da arte contemporânea.

Inscrições de 11 a 30 de julho através do link: http://curatoriaforense.net/_seminarios/2014/politica_de_arte-porto_alegre/

Agenda de Trabalho

  • Artistas como sujeitos políticos. Trabalhadores da arte contemporânea.
  • Sobre Arte e outros substitutos. Conotações políticas versus publicidade propaganda, design e antropologia social.
  • Tudo o que não é político.
  • A arte como um sistema de interrogação crítica da realidade.
  • O sistema da arte como ideologia. Agentes, regras e negociações.

Coordenado por Jorge Sepúlveda T., Curador Independente, e Dra. Ilze Petroni, Pesquisadora de Arte Contemporânea. Ambos coordenadores do grupo de pesquisa e gestão Curatoría Forense.

Colaboram: Denis Rodriguez, Contorno e Galeria Mamute.

Local e Data:

2 de agosto 2014. Galeria Mamute.

Rua Caldas Junior, 375 – Centro Histórico. Porto Alegre.

Horário: das 10h às 13h – pausa – 14h30 às 18h30.

Custo: R$ 115 por inscrição.

Vagas limitadas à capacidade do local onde o seminário será realizado.

Certificação: Certificado de Participação será estendido para os participantes.

Resenhas biográficas

Jorge Sepúlveda T. (1971, Chile) Curador independente e crítico de arte. Realizou e assessorou mais de 25 exposições coletivas e individuais de artistas visuais sulamericanos. Em 2005 cria o grupo de trabalho Curatoría Forense, depois de ter sido o editor da revista digital de arte e ciências sociais Sepiensa entre 2000 e 2006. Assessorou, apresentou e organizou conferências e seminários sobre artes visuais contemporâneas, circuitos de arte, fundos culturais públicos, imaginário artístico e imaginário social em instituições e espaços de gestão autônoma na Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador, França, Itália, México, Uruguai e Venezuela. Suas análises e textos foram publicados em diversas mídias, destacam-se: Documenta 12 magazine, SalonKritik, ArteyCrítica, revista Plus e Alzaprima. Editou -com Ilze Petroni- as seguintes publicações: Encontro de Gestões Autônomas de Artes Visuais Contemporâneas :: Córdoba :: 2011 (2013), Escrita funcionaria. Ensaios sobre gestão de arte e cultura de Justo Pastor Mellado (Coleção Textos Críticos, 2013) e Diretório de Gestões Autônomas de Artes Visuais Contemporâneas – América Latina (2014). É membro fundador e coordenador da Rede de Gestão Autônoma em Arte Contemporânea – www.gestionautonomadearte.net.

Ilze Petroni (1976, Argentina) Pesquisador de arte contemporânea. Doutora em Arte Contemporânea pela Universidade Nacional de Córdoba (UNC) Trabalhou nas cátedras de Movimentos Estéticos e Cultura Argentina, Seminário de Cultura Popular e Cultura de Massas e, Seminário de Problemáticas da Sociedade Contemporânea na Escola de Ciências da Informação (UNC). Bolsista da Secretaria de Extensão Universitária (UNC) para executar o projeto sobre fotografia e estratégias de inclusão social no município de Anisacate (2004-2005). Foi membro de uma equipe de pesquisa dedicada ao cinema argentino atual, com quem publicou: Cine e Ditadura (2006); Poéticas do cinema argentino: 1995-2005 (2005); Cinema e Imaginário. Alguns filmes do fim do século (2000) e participou do Cine Documental, Memória e Direitos Humanos (2007) e Transformação social, memória coletiva e cultura(s) popular(es) (2011). Bolsista em pós-graduação do Conselho Nacional de Pequisas Científicas e Técnicas (CONICET) entre 2008 e 2012. Desde 2009 coordena Curatoría Forense – www.curatoriaforense.net. É membro fundador e coordenadora da Rede de Gestão Autônoma em Arte Contemporânea – www.gestionautonomadearte.net.

mm

Curatoría Forense - Latinoamérica

Curatoría Forense es un grupo multidisciplinario dedicado al arte contemporáneo en América Latina. Sus actividades se iniciaron en 2005 en Santiago de Chile con el objetivo de cubrir la falencia respecto a las posibilidades expositivas de los artistas emergentes chilenos, que no estaban en condiciones de participar en la institucionalidad artística establecida. Por entonces, la misión principal era investigar en el campo curatorial, estableciendo una relación horizontal entre el productor y el curador con el fin de crear nuevas capacidades para la experimentación estética. En 2009 Curatoría Forense se convirtió en una organización nómada centrada en la investigación sobre los procesos de emergencia y consolidación de escenas locales de arte contemporáneo y sobre modelos de trabajo en gestión autónoma en la región. Este cambio implicó una innovación en su metodología de trabajo, así como en la producción de textos y actividades con el fin de entender cómo se produce el arte contemporáneo en comunidades que carecen de recursos o que poseen políticas culturales débiles para con el arte contemporáneo.


Leave a Reply